Archive for the ‘preso atende mulher em delegacia’ Category

Mulher tenta registrar BO e é atendida por detento em Pedro Canário (ES) – Preso atende mulher em delegacia

janeiro 28, 2009

http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u495377.shtml

29 de janeiro de 2009

Uma mulher foi atendida por um preso ao tentar registrar um boletim de ocorrência contra o marido em uma delegacia no interior do Espírito Santo, anteontem pela manhã.

 

A servente Tânia Mara Gualberto Santos, 41, afirma que, ao procurar atendimento na delegacia de Pedro Canário (268 km de Vitória), um preso a atendeu na entrada da delegacia, por meio de uma pequena janela em um portão de ferro.

 

Segundo ela, o detento perguntou que ocorrência ela queria registrar. De início, afirma Tânia, ela se recusou a contar ao preso que estava ali para denunciar agressões praticadas pelo marido contra ela. Diante da insistência, ela contou.

 

Em seguida, o preso disse, segundo a servente, que não havia nenhum policial no momento para registrar o caso e que ela deveria voltar no dia seguinte.

 

Segundo Tânia, ele ainda disse que “um pedaço de papel não garante que o cara não vai te matar”. “Se o cara tiver que matar, ele mata com papel e tudo.”

 

O superintendente de Polícia do Interior do Espírito Santo, Lauro Coimbra, confirma que um dos presos da delegacia conversou com a servente, mas nega a versão de Tânia -que só conseguiu prestar queixa contra o marido ontem de manhã. Segundo ele, havia policiais na unidade na segunda de manhã.

 

Coimbra diz que o preso carregava o lixo das celas para a entrada da delegacia –procedimento normal na cidade para presos de “bom comportamento”. No entanto, diz Coimbra, ele deveria estar acompanhado por um policial. “É uma irregularidade, porque o preso não tem que dar informações.”

 

O superintendente disse que uma apuração preliminar concluiu que uma escrivã já estava atendendo a duas pessoas quando Tânia chegou, e o preso recomendou que ela esperasse o atendimento terminar.

 

Um procedimento administrativo foi aberto para ouvir os envolvidos, inclusive o preso.